Capa da Publicação

Army of the Dead: Dave Bautista revela o que faz seu personagem no filme ser tão especial

Por Cristiano Rantin

Chegando este mês na Netflix, Army of the Dead: Invasão em Las Vegas é o novo projeto de Zack Snyder. O filme de assalto em Vegas, no meio de uma epidemia zumbi, conta com um grande elenco e Dave Baustista como o grande protagonista da história. A Legião dos Heróis foi convidada para participando de uma coletiva de imprensa com o elenco e a equipe criativa do filme. Na ocasião, Bautista falou sobre seu preparo para o filme, o que o fez aceitar seu papel e como ele se destaca em relação aos seus trabalhos anteriores. 

Em Army of the Dead: Invasão em Las Vegas, Dave Bautista encarna Scott Ward, um dos muitos desabrigados de Vegas, sobrevivente da guerra zumbi que agora vive uma vida pacata como cozinheiro em uma lanchonete. Quando é convidado a organizar uma invasão na cidade devastada, roubando 200 milhões de dólares antes que Las Vegas seja bombardeada pelo governo, Scott vê a oportunidade de mudar de vida.

É ele que junta sua equipe de especialistas e mercenários, sendo surpreendido quando sua filha Kate, vivida por Ella Purnell, entra no grupo em busca de uma amiga. Entre zumbis e uma corrida contra o tempo, Scott vê uma oportunidade de se reconectar com sua filha, aproveitando a ocasião para se redimir pelas ações do seu passado. 

Muito mais que apenas um filme de ação 

Scott Ward (Dave Bautista) e sua filha Kate (Ella Purnell)

Diante de uma carga dramática tão intensa, Bautista revelou que Army of the Dead é muito mais do que apenas um filme de ação. Segundo ele, interpretar Scott Ward, realmente permitiu explorar as nuances de sua performance como ator, algo que ele não costuma ter muita oportunidade de fazer. “Bem, eu estive em filmes que tiveram muita ação, mas eu nunca estive em um filme onde eu pudesse realmente mostrar meu alcance enquanto ator,” conta. “Esse foi o primeiro que permitiu isso.” 

Bautista revela que, inicialmente, não chegou a ler o roteiro do filme, descartando o convite por achar que faria mais um filme de ação. “No começo eu não estava muito interessado porque ele era descrito como um filme de assalto com zumbis. Eu pensei que era apenas outro filme de ação. E eu não queria isso quando estava buscando me provar, sabe, enquanto ator.” Foi somente quando ficou sabendo que Zack Snyder o queria como protagonista que ele decidiu dar uma chance ao longa.

“Eu li o roteiro e era completamente diferente do que eu achei que seria e ele me daria a oportunidade de realmente mostrar um lado diferente de mim, além do cara durão da ação, sendo um pai que está tentando se redimir para com sua filha,” explica. “Foi isso que me fez aceitar o projeto. Eu realmente queria uma oportunidade para mostrar um pouco [de versatilidade], na verdade. Então meu personagem no filme não é apenas um cara da ação, ele também é um cara que busca redenção. Pra mim, Army of the Dead é uma história de redenção.” 

 

O preparo para o filme 

Conhecido por seu condicionamento físico — motivo pelo qual ele acaba sendo chamado frequentemente para filmes de ação — Bautista conta que as cenas mais intensas de ação não chegaram a ser um grande problema para ele: “Eu sou um atleta. Foi aí que eu encontrei minha vocação e o motivo para eu ter sido um lutador profissional de sucesso.  Eu sempre estive confortável fazendo cenas mais físicas e performar desse jeito. Por esse motivo, não foi as cenas mais físicas não foram um grande problema.” 

No entanto, longe de se forçar a fazer cenas mais perigosas ou complexas, o ator confessa que não hesitava em pedir ajuda do seu dublê. “Sempre algo poderia ser um problema, eu não tenho vergonha de admitir, eu chamava Rob, o meu dublê,” revela. “Então sempre que algo fosse difícil demais ou fugisse das minhas capacidades eu chamava meu dublê, que era perfeitamente capaz de cuidar disso.” 

Para ele, seu maior desafio acabou sendo a atuação, que é a área na qual ele ainda está se esforçando constantemente. “Eu sempre fui atlético então isso surgiu naturalmente pra mim. Meu desafio ainda é, você sabe, minha performance. Esse é meu desafio.” 

 

Zack Snyder e o Snyderverso

Dave Bautista e Zack Snyder

Abertamente fã de Zack Snyder, Baustista não esconde o entusiasmo de estar em um filme do diretor. “Eu amei trabalhar com o Zack. Eu queria trabalhar com ele por muitos anos e foi melhor do que eu achei que seria,” diz.

Segundo ele, o trabalho de Snyder foi essencial para que o filme desse certo, uma vez que ele realmente se esforçou para dar vida aos personagens. “Zack se certificou que todos nós tivéssemos nossa chance de brilhar. Eu sinto que, quando eu olho para o filme, todo mundo teve seu espaço.” 

Para Bautista, mesmo sendo o protagonista da história, com a relação de Scott e sua filha sendo o grande arco emocional de Army of The Dead, todos os personagens se destacam.  “Eu não acho que minha história eclipsou alguém. Todo mundo teve seu momento para brilhar,” aponta. “E todos os personagens são fortes e interpretados de uma forma muito vívida.” 

Ainda que Snyder mereça elogios por isso, o ator também exalta a boa relação entre os atores, o que contribuiu para que tudo funcionasse bem no filme. “Eu sinto que tivemos um elenco tão diverso, algo que poderia ter sido um desastre se a gente não tivesse uma química tão boa,” argumenta “Todo mundo se deu muito bem. Então tudo isso resultou em uma história completa na qual ninguém realmente se destacava. Nós todos meio que, não sei, tivemos um bom ritmo e uma química excelente. Todo mundo teve seu momento de brilhar.” 

Voltando a falar do diretor, Bautista conta que nunca teve uma experiência desse tipo com um cineasta. “Temos muitas coisas incríveis nesse filme e isso é graças ao Zack, que é o diretor, mas também o cara que tinha que pegar a câmera todos os dias e estar conosco no meio das cenas, ficando todo sujo e suado,” destaca.

Diferente dos outros diretores com quem trabalhou, Bautista aponta que Snyder estava junto dos atores o tempo todo: “Nós estávamos carregando armas, ele estava carregando uma câmera. E ele parecia ser outro integrante do elenco. Isso foi muito, muito especial e reconfortante. Ter ele ali conosco, torrando sob o sol, ficando sujo com a gente, passando por esses desafios… Eu nunca experienciei isso em um filme antes. Foi algo especial.” 

“E eu aprendi muito com isso. Eu tive aulas diretamente do Zack, coisas que vou levar comigo,” revela Bautista. “Nós aprendemos das pessoas que são melhores ou possuem mais experiência que a gente. E é por isso que eu estou neste jogo. Eu amo isso de aprender da melhor forma que eu consigo. Eu quero trabalhar com os melhores e o Zack me deu uma grande aula.”

Army of The Dead: Invasão em Las Vegas chega na Netflix no dia 21 de maio.

Fique com:

Imagem de perfil
sobre o autor Cristiano Rantin

Jornalista • Editor • Mestrando em Comunicação pela UEL • Twitter e Instagram: @Chris_Rantin • "Eu sou o fogo e a vida encarnados. Agora e para sempre eu sou a Fênix!"