Watch Dogs Legion: A Londres digital do game ficou fiel à realidade?

Capa da Publicação

Watch Dogs Legion: A Londres digital do game ficou fiel à realidade?

Por Lucas Rafael

Watch Dogs: Legion é um game que se passa inteiramente numa Londres futurista. Quer dizer, mais ou menos futurista. A cidade é regida por tecnologia: drones zunem pelos céus, carros auto-dirigíveis circulam pelas ruas, painéis holográficos adornam as fachadas. Mas mesmo assim, parece um futuro próximo, nada muito distante ou fora da casinha. Não há muitos exageros cyberpunks aqui, e essa decisão ancora a Londres de Watch Dogs em nossa realidade. Mas o quão fundo o time de pesquisa e level design da Ubisoft foi para recriar a cidade? Será que ficou fiel mesmo?

Antes de entrar no mérito da questão, voltemos para abril de 2019. A catedral de Notre Dame pega fogo e choca o mundo. As imagens impressionam: fumaça e fogo encobrindo aquele projeto arquitetônico antigo e gigantesco. E agora? Bem, em uma nota mais esperançosa, diversas matérias foram escritas sobre a oferta da Ubisoft Montreal em ceder sua pesquisa de mais de 5.000 horas acerca da catedral destruída. Tal pesquisa foi originalmente realizada para os fins de recriar a catedral digitalmente no game Assassin’s Creed: Unity, de 2014, cuja trama é ambientada em Paris.

Cinco mil horas de pesquisa para a recriação digital da catedral de Notre Dame. Se você baixar AC: Unity hoje em dia, certamente vai se surpreender com a fidelidade do prédio. Bem, a Londres de Watch Dogs: Legion é igualmente surpreendente.  Vale lembrar aqui que a Ubisoft já havia recriado Londres na era vitoriana para Assassin’s Creed Unity, então com certeza esse conhecimento prévio facilitou  o desenvolvimento de Legion

Diversos pontos turísticos da cidade foram recriados em detalhes, da praça Piccadilly à Tower Bridge que cruza o rio Tâmisa. Em certos pontos, jogar Legion beira uma espécie de turismo digital. 

 

 

 

Há algo aqui além da arquitetura primorosa com toques futuristas em si. Está na fala de cada personagem, naquele sotaque carregado. Na cultura de pubs, nos letreiros das estações de metrô. Você já viu esse tipo de atmosfera em Black Mirror e Sherlock (e mais filmes e séries britânicos) e ela é reproduzida impecavelmente em Watch Dogs: Legion

Há esse vídeo do Tech Radar que vale a pena conferir. Nele, um jornalista londrino se encantou enquanto jogava o game numa stream, encontrando pontos e ruas pelos quais ele passa diariamente, como se fosse uma espécie de Google Maps imersivo.

Lógico que Londres não foi inteiramente recriada para o jogo. A escolha de adaptar pontos turísticos e bairros marcantes se mostra acertada do estúdio: são os locais mais assimilados por turistas e civis, marcos pelos quais se nortear. Muitos nova-iorquinos dizem ter sentido algo parecido ao jogarem Marvel’s Spider-Man, que também reconstrói no mundo digital alguns pontos da Nova Iorque real. 

Vou deixar o vídeo do TechRadar aqui embaixo para quem quiser conferir a verossimilhança entre a Londres criada para Watch Dogs: Legion e a cidade real:

 

 

Na Londres real, o famoso relógio Big Ben passa por uma reforma atualmente. Na Londres de Watch Dogs, ele está em pleno funcionamento, coberto por anúncios da Albion, a organização vilã do jogo que rege a cidade com punhos autoritários. A praça de Trafalgar no game está bem diferente de sua contraparte real. Londres está mais cicatrizada e oprimida em Watch Dogs, mas ainda assim parece a Londres real.

Watch Dogs: Legion faz um bom serviço em capturar a arquitetura e atmosfera da cidade, contextualizando-a em um cenário distópico e opressor, mas sempre com um pézinho no chão que deixa tudo assustadoramente próximo da nossa atualidade.  

Veja abaixo nossa lista com tudo o que você precisa saber antes de jogar Watch Dogs: Legion:

Watch Dogs: Legion tem lançamento marcado para 29 de Outubro, disponível para PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series S e X, Stadia e PC.

Imagem de perfil
sobre o autor Lucas Rafael

Redator. Entusiasta de coisas demais