Capa da Publicação

O mundo e a DC Comics não precisam da “Snyder Cut”!

Por Guilherme Souza

Já faz dois anos desde o lançamento de Liga da Justiça, mas dia após dia, vemos Zack Snyder e seus fãs nos relembrando de que o filme não saiu como eles queriam

Quem acompanha as notícias do mundo do entretenimento sabe que a produção do filme de uma das maiores equipes super-heróicas dos quadrinhos foi um verdadeiro caos, mas os problemas com esse filme vêm de muito antes. 

Para entender o que aconteceu em Liga da Justiça, precisamos voltar ao primeiro filme solo do Superman estrelado por Henry Cavill. Depois do sucesso dos filmes do Batman de Christopher Nolan, a Warner viu que podia continuar investindo nessa linha de produções, principalmente por conta do Marvel Studios, que também já vinha ganhando força e construindo seu universo compartilhado.

Para isso, o estúdio convidou ninguém menos do que Zack Snyder para assumir uma nova franquia do Superman. Embora Snyder tivesse uma série de fracassos comerciais em sua carreira, tais como Sucker Punch, Watchmen e A Lenda dos Guardiões, o cineasta ficou conhecido por fazer adaptações visualmente fiéis aos quadrinhos, tais como o bem-sucedido 300, filme este que lhe rendeu a alcunha de “visionário”

Depois que a Warner cancelou o filme da Liga da Justiça que seria dirigido por George Miller, Snyder veio para continuar o legado de Nolan, apresentando um Superman mais humano e realista, dessa ideia, nasceu O Homem de Aço, primeiro filme do azulão estrelado por Cavill. O longa dividiu a crítica e teve uma bilheteria razoável, apesar de contar com um orçamento bem robusto, o que diminui bastante seu lucro. 

Acontece que um novo filme do Superman já não era mais o bastante para bater de frente com o Universo Cinematográfico Marvel, assim, o plano inicial de uma nova franquia do Superman acabou dando lugar a um Universo Compartilhado da DC e foi aí que as coisas começaram a dar errado. 

De acordo com entrevistas concedidas por Snyder e sua esposa, Deborah, que atua como produtora desses filmes, o plano sempre foi fazer um filme que mostrasse um embate entre Batman e Superman, tal como acontece na HQ Batman: O Cavaleiro das Trevas, porém essa ideia teve de ser adaptada para o pontapé inicial do “DCEU”, mas será que Snyder estava preparado para isso?

Diferente do Marvel Studios, Snyder teve liberdade criativa total para iniciar esse universo compartilhado e encaixá-lo em suas ideias, mas esse talvez tenha sido o grande motivo do fracasso do DCEU, pois a visão original de Snyder simplesmente não funciona para o início de um Universo Cinematográfico. 

Além de retratar um Batman velho e praticamente aposentado, esse universo também começou com a morte do Superman, um dos maiores heróis do planeta e o carro-chefe da Liga da Justiça. Sem falar em outras inconsistências narrativas que foram descartadas posteriormente, tais como a afirmação de que a Mulher-Maravilha ficou 100 anos afastada da humanidade

Toda essa liberdade criativa dada a Snyder começou a degringolar principalmente com o fracasso comercial de Batman vs Superman: A Origem da Justiça. Embora muitos acreditem que US$ 873 milhões em bilheterias seja um número satisfatório, quando levamos em conta o custo exorbitante da produção e o fato de que ela carrega os nomes dos dois maiores heróis dos quadrinhos, além de ter a primeira aparição da Mulher-Maravilha nos cinemas, esse número é bem vergonhoso. Tudo fica ainda pior quando nos lembramos que filmes como Coringa e Aquaman, que custaram bem menos para ser produzidos, ultrapassaram a marca de US$ 1 bilhão em bilheterias. 

O fracasso comercial somado à rejeição da crítica, resultou em mudanças imediatas na produção de Esquadrão Suicida, filme que foi lançado logo em seguida e que acabou sendo um monstro de Frankenstein. Depois de regravações e muitos cortes na sala de edição, o filme acabou sendo uma mistura entre o tom inicial estabelecido por Snyder e uma nova visão para o DCEU, claramente inspirada pelas cores e o humor da Marvel. 

Esquadrão Suicida acabou se saindo muito bem nas bilheterias e até faturou o Oscar de Melhor Maquiagem, mas isso não o isentou de ser repudiado pela crítica e até mesmo por muitos fãs da DC.

O raio de esperança para os fãs da DC veio com o filme solo da Mulher-Maravilha, que foi bem-recebido tanto pela crítica quanto pelos fãs, mostrando que ainda era possível vermos algo positivo desse universo. 

Acontece que no meio-tempo entre o lançamento de Esquadrão Suicida e Mulher-Maravilha, Snyder já trabalhava na pré-produção do filme da Liga da Justiça, mesmo com todas as reviravoltas que o DCEU estava passando. O cineasta teve de lidar com a pressão do estúdio para mudar sua visão e direção criativa e fazer com que o filme da equipe fosse “o próximo Vingadores”.

Somado à isso, tivemos a trágica morte da filha de Snyder, que acabou sendo a gota d’água na vida do cineasta. De acordo com um antigo jornalista do Polygon, Snyder não estava conseguindo atender os pedidos do estúdio no filme da Liga e acabou sendo demitido do cargo de diretor, que foi assumido por Joss Whedon. Whedon foi incumbido de remendar a produção e amenizar os danos. Segundo o jornalista, o suicídio da filha de Snyder foi usado como uma cortina de fumaça para encobrir a demissão dele e apaziguar os fãs, algo que ficou bem claro meses mais tarde. 

Whedon teve de assumir a produção com o orçamento estourado e faltando pouquíssimo tempo para o lançamento, sem contar o fato de que Henry Cavill estava impossibilitado de remover o bigode que estava usando em outra produção, com isso, tivemos um Superman bizarro que se tornou um eterno meme. 

Depois do lançamento do filme, ficou claro que o estúdio esquartejou a produção e removeu praticamente toda a visão de Snyder para a trama, fato que se comprovou através das milhares de entrevistas concedidas por ele, além das inúmeras fotos de cenas deletadas que ele compartilha quase que diariamente em sua rede social. 

Neste momento, já entendemos que o filme não saiu como Snyder queria, mas o que garante que ele não seria outro Batman vs Superman? Ou pior, o que garante que ele não poderia ter arruinado o sucesso do filme solo do Aquaman? 

Já ficou claro que Snyder sabe muito bem trabalhar com cenas de ação e efeitos especiais, mas ele sempre acaba entregando filmes inchados e com subtramas em demasia, fato que se comprova até mesmo com um recente storyboard do filme da Liga, que nos revela que Martha Kent era, na verdade, o Caçador de Marte disfarçado

Já faz quase dois anos que os fãs de Snyder iniciaram uma campanha para que a Warner lance a versão do diretor para o filme da Liga, mas desde então, o estúdio não deu nenhum indício de que irá fazer isso e cada vez fica mais claro que isso nunca irá acontecer. A versão de Snyder precisaria de ainda mais dinheiro para ser finalizada e ser lançada no mercado, mesmo que somente como Blu-Ray ou no streaming – e isso parece algo impensável para um filme que já deu prejuízos. 

Além disso, os fãs deveriam se perguntar se o resto do mundo realmente se importa com isso. Esse ano, vimos Vingadores: Ultimato se tornando o filme com a maior bilheteria da história, Coringa sendo um verdadeiro sucesso de bilheterias e Shazam! sendo uma adaptação incrível dos quadrinhos. 

A Warner já está de olho no futuro da DC e ela está certa. O estúdio já trabalha em um novo filme do Batman, que inclusive terá um novo protagonista, um filme sobre os Novos Deuses, Aves de Rapina, Mulher-Maravilha e Aquaman 2, um novo Esquadrão Suicida e por aí vai. 

Relançar o filme da Liga da Justiça nesse momento seria burrice e simplesmente para satisfazer o ego de Snyder e de sua parcela de fãs. Neste momento, a DC precisa mostrar que pode superar os obstáculos e ser tão grandiosa quanto ela é nos quadrinhos. 

O público mainstream, que não acompanhou todas essas polêmicas e reviravoltas, pouco se importa com o que aconteceu e simplesmente acharam o filme ruim e sequer se darão o trabalho de assistir essa nova versão milagrosa

O fato é que já é tarde demais para que esse relançamento aconteça e tanto os fãs quanto o próprio Snyder precisam superar. Inclusive, isso não faz bem para a própria carreira de Snyder, que deveria estar se focando em seus futuros projetos com a Netflix. No fim das contas, parece só aquele caso do ex que não supera o fim do namoro e fica fazendo de tudo para tentar reatar.

Liga da Justiça não foi o primeiro fracasso dos filmes de super-heróis e nem será o último, mas nesse momento, o que importa para o estúdio é fazer sucesso e eles já viram que conseguem fazer isso com ou sem Snyder.

Fique com imagens dos bastidores de Coringa em nossa galeria:

Imagem de perfil
sobre o autor Guilherme Souza

Outra grande manchete: 'Água, molhada!'