Capa da Publicação

Nerds, geeks, posers e descolados: quatro tribos em guerra!

Por Raphael Martins

Todos vocês com certeza já viram esse filme antes. O(a) protagonista chega na escola, mais precisamente no refeitório, e procura um lugar para se sentar. Mas essa não é exatamente uma tarefa tão fácil quanto parece, pois a verdade é que o lugar inteiro está fragmentado em “tribos”, grupos de jovens unidos por um gosto ou hobby em comum. Existem os atletas, os estranhos, os góticos e por aí vai.

Mas também tem os quatro tipos mais comuns de se encontrar tanto na ficção quanto na vida real: os nerds, os geeks e os descolados. Com o tempo, uma quarta tribo apareceu: os posers, pessoas que gostam, ou fingem gostar, de algo do qual não entendem, mas querem entender. Ou só seguir a modinha da vez para serem mais populares mesmo.

Tal qual as quatro nações de Avatar: A Lenda de Aang, essas quatro tribos estão em guerra há muito tempo, provavelmente antes mesmo de você, leitor, ter nascido. Mas qual a origem de toda essa animosidade? A paz entre eles é possível?

As quatro tribos de Avatar: traçando um paralelo com a realidade

Para entender a rivalidade, precisamos primeiro entender as características de cada uma dessas tribos, que tem tantas coisas em comum umas com as outras que às vezes é até difícil traçar uma diferença. Duas delas, em especial, são tão similares que se tornaram ainda mais difíceis de se diferenciar depois da internet: os Nerds e os Geeks.

No conceito mais arquetípico do termo, um nerd é uma pessoa fascinada por conhecimento, seja astronomia, matemática, qualquer coisa, de modo que sua aplicação a isso é tanta que suas notas são as mais altas da sala. Ele pode se interessar ainda mais por quadrinhos, jogos e anime, mas isso nem sempre acontece, varia de pessoa para pessoa. Toda essa dedicação às suas paixões os torna socialmente inaptos, introvertidos e com problemas para lidar com convenções sociais, como uma festa da faculdade ou uma micareta de carnaval.

O Peter Parker de Tobey Maguire: um ótimo exemplo do Nerd clássico

O Geek, teoricamente, é um pouco diferente. Ele é um expert em um assunto ou nicho específico, seja ele cultura pop, tecnologia, quadrinhos ou o que quer que seja. Tem bem mais traquejo social que o nerd, encara aquela festa na casa de um amigo cheia de pessoas desconhecidas e quase sempre tem assunto, desde que gire em torno de seus interesses específicos. Pode não ser tão ligado assim em conhecimentos acadêmicos ou fazer questão de tirar notas altas como os nerds, mas o contrário também é válido aqui.

É claro que não dá para rotular nem um nem outro a partir destes traços comportamentais, cada um é cada um. Mas em meio disso, há uma verdade inegável: nem todo nerd é um geek, e nem todo geek é um nerd. É muito comum na internet, especialmente no Youtube, Geeks se definirem como Nerds, quando na verdade não tem traço nenhum do que se classifica como “nerd”. O termo “geek” é relativamente novo, especialmente no Brasil, e como antes tudo o que era relacionado a quadrinhos, games e afins era tachado como “coisa de nerd”, colocando tudo no mesmo saco, assim ficou. Uma confusão compreensível.

Apesar de terem gostos e interesses parecidos, isso não quer dizer que eles se deem bem em 100% dos casos de interação. Tanto Geeks quanto Nerds tem sua parcela de pessoas peculiarmente intolerantes na internet e fora dela, pessoas que não são muito abertas ao diferente e que adoram dar uma “carteirada” de que entende mais do que o outro sobre algum assunto específico no meio de uma discussão. Não é raro membros tanto de uma tribo quanto de outra exigirem praticamente um “certificado de proficiência” para levar alguém a sério.

Cisco Ramon: o Geek mais amado de The Flash

Com a popularização de tudo o que outrora faria tanto nerds quanto geeks sofrerem aquele bullying maroto na escola, como games e filmes de super-heróis, surgiu uma terceira tribo: os Posers. Pegando emprestadas características tanto Nerds e Geeks, os Posers, ou “bazingueiros”, são odiados fervorosamente pelos dois. O motivo, segundo eles justificável, é que um poser não é nem um nem outro, apenas finge ser. Alguém que vai na crista da onda da moda porque é… uma moda. Um Poser é como um Skrull disfarçado porcamente como um ser humano, facilmente reconhecível como o Alien que é.

Ao mesmo tempo que é ridículo tentar a todo custo ser o que não é por cliques e popularidade, é igualmente ridículo ser hostil com alguém que está, por exemplo, usando uma camiseta do Lanterna Verde sem fazer a menor ideia de quem é Hal Jordan. Se a pessoa gosta da camiseta e do que ela representa, por que não só deixar ela em paz? Esta, aliás, é a única maneira de Nerds e Geeks conviverem em paz com os Posers: deixarem estar. Por mais que o que eles façam não seja bem visto, eles ainda não pessoas, e não estão fazendo mal a ninguém. Não na grande maioria dos casos, pelo menos. “Viva e deixe viver”, já dizia o ditado, cada vez mais difícil de se seguir à risca em tempos de internet.

Ainda existe uma quarta tribo, ainda mais odiada e por vezes até mesmo temida: os descolados. Eles são aquelas pessoas que eram/são populares na escola ou na faculdade, que tem orgulho de serem “normais” e que adoram perseguir os Nerds e os Geeks, especialmente na vida real. Aquela pessoa que fazia bullying com você? É bastante provável que seja um dos descolados.

Com eles não tem conversa, não tem negociação. Eles vão se aproveitar, vão zoar, vão humilhar. Um exemplo excelente do quão difícil é para um nerd lidar com um descolado pode ser visto em um dos episódios do programa A Liga, exibido na Rede Bandeirantes há alguns anos. É impossível não sentir o sangue ferver de raiva ao ver como os pobres nerds são vistos e tratados por quem se julga superior a eles por se acharem “normais” e não gostarem de “coisas de criança”.

A paz entre essas quatro tribos é possível? É difícil dizer. Em teoria é simples, mas na prática é algo bem mais complicado. No caso dos Nerds e dos Geeks, só a tolerância resolveria. Aceitar as diferenças e abraçar o que ambos tem em comum seria um excelente começo. Assim como há exemplos negativos, também há exemplos onde isso acontece, então ainda é cedo demais para que se perca toda a esperança. O mesmo vale para os Posers: estender essa tolerância à pessoas que poderiam muito bem fazer parte da sua turma e agregar ainda mais força a ela não seria nada mal.

Quanto aos descolados, isso seria muito mais difícil. Quanto se é perseguido, a única saída é se impôr. Às vezes é preciso um choque de realidade para que alguém perceba o quanto está agindo errado e sendo um completo idiota, e isso significa mostrar isso para ele do jeito difícil. A paz pode até chegar, mas não sem conflito. Como diria aquele outro ditado, “só vive em paz quem aprende a lutar”.

Não dá para esperar que um Avatar, alguém que domine os quatro caminhos, surja para garantir o equilíbrio entre essas quatro tribos. A mudança tem que partir de nós mesmos, independente de onde estamos nessa.

Veja também:

Imagem de perfil
sobre o autor Raphael Martins

Redator, apresentador e roteirista. Gosto de longas caminhadas na praia, Star Wars, tokusatsu, anime e filé com batata frita. Deixo as pessoas constrangidas. Você pode trocar uma ideia comigo no Twitter: @aqueleraphael