Capa da Publicação

O que mudou em quase 20 anos de X-Men nos cinemas?

Por Guilherme Souza

Considerados os precursores da crescente onda de adaptações cinematográficas baseadas em histórias em quadrinhos, os X-Men foram a primeira equipe de super-heróis a ganhar um filme em live-action, mas desde seu primeiro filme nos anos 2000, tanto a equipe como a indústria como um todo passou por modificações drásticas e hoje, falaremos um pouco sobre essas mudanças em um apanhado geral sobre tudo o que vimos dos X-Men nos cinemas.

No final da década de 90, a Marvel passava por uma grave crise financeira, que quase a fez fechar suas portas, como única alternativa, Stan Lee decidiu vender os direitos de seus personagens para grandes estúdios cinematográficos e isso fez com que a Marvel lucrasse o suficiente para se reerguer, mas isso viria a se tornar um verdadeiro pesadelo para a casa das ideias nos anos subsequentes. O fato de dar os direitos de adaptação de seus personagens para estúdios cinematográficos, significava que eles poderiam fazer o que bem entendessem, sem contar o fato de que como as franquias foram espalhadas por diversos estúdios diferentes, era praticamente impossível vermos elas se unindo em um único filme, em histórias similares às dos quadrinhos.

O primeiro estúdio a se arriscar nessa empreitada de adaptar personagens da Marvel para os cinemas foi a Fox, dando vida a ninguém menos do que os X-Men, uma das equipes mais populares dos quadrinhos na época e com alguns dos personagens mais famosos da editora. Claro, temos que frisar que os super-heróis já haviam ganhado adaptações para os cinemas anteriormente, contudo, elas se limitavam a filmes do Superman e do Batman e só foi quando a Fox lançou os X-Men que vimos novas franquias ganhando espaço.

Desde então, vimos os X-Men sendo seguidos pelo Homem-Aranha, Motoqueiro Fantasma, Demolidor, Blade, Hulk e tantos outros, até que chegamos ao ponto em que a Marvel resolveu criar seu próprio estúdio cinematográfico e fazer suas próprias adaptações com os personagens que lhe restavam, mas a jornada até esse momento não foi fácil.

Por incrível que pareça, Kevin Feige, hoje presidente da Marvel Studios, esteve envolvido no nascimento dos X-Men dos cinemas e desde aquela época, o executivo já sonhava com um universo compartilhado de filmes de super-heróis, mas como era de se imaginar, a Fox não lhe deu ouvidos, já que, se já era arriscado produzir um filme de uma equipe de super-heróis, quem dirá produzir uma franquia imensa de filmes que se conectam.

É claro, não podemos culpar o estúdio, afinal, os X-Men foram o “paciente 0” dessa epidemia que surgiria nos anos seguintes e embora o primeiro filme da franquia tenha sido um sucesso absoluto, ele poderia ter sido um verdadeiro fracasso, portanto, o medo do estúdio na época era algo plausível. Felizmente, o sucesso do primeiro longa serviu para motivar os demais estúdios a investirem cada vez mais nos super-heróis.

Para se ter uma ideia, a influência do primeiro filme dos X-Men foi tão grande na indústria, que, até hoje, ainda vemos adaptações em que os heróis usam uniformes feitos de couro, assim como os usados pelos filhos do átomo. Muitos fãs concordam que essa não é uma influência nada positiva, mas até então, Hollywood não havia encontrado uma maneira de adaptar os uniformes dos quadrinhos sem fazer com que os atores parecessem ridículos e o uso de uniformes mais “neutros” e realistas, facilitou ainda mais a popularização de filmes do gênero.

Mas toda essa popularidade e aceitação logo se tornou um problema, não só para os X-Men, como para muitas outras franquias heroicas. Ao longo dos anos, presenciamos adaptações de qualidade duvidosa e que não favoreciam os personagens.

Essa trajetória de altos e baixos perdurou até o momento em que a Marvel criou seu próprio estúdio cinematográfico e decidiu produzir filmes dos heróis que ainda lhe restavam. Com isso, vimos o nascimento do glorioso Universo Cinematográfico Marvel, que hoje, é uma das franquias mais lucrativas e bem-sucedidas da história. Usando o conceito de universo compartilhado sugerido por Kevin Feige há 18 anos, a Marvel conseguiu construir um universo coeso e com personagens que transbordam carisma, movendo multidões para as salas de cinema a cada novo lançamento.

O sucesso da Marvel Studios motivou sua principal rival, a DC Comics, a começar a construir seu próprio universo, assim como a Sony que também está iniciando um Universo de filmes compartilhados usando personagens secundários do Homem-Aranha. Com toda essa evolução na indústria de filmes de super-heróis, os X-Men acabaram se tornando uma vítima, já que os diversos problemas de adaptação e sua confusa cronologia acabaram afastando grande parte dos fãs, que admiravam a coesão e a fidelidade dos filmes da Marvel Studios.

Por mais que muitas pessoas concordem que a franquia X-Men tenha problemas, não podemos negar que a Fox foi muito corajosa ao lançar o primeiro filme da equipe e que ele serviu de exemplo para tudo o que veio depois. É fácil falarmos que o MCU é melhor e mais coeso, porém devemos nos lembrar de que ele já nasceu com base em conceitos pré-estabelecidos e com experimentos feitos por outras produções. Obviamente, não podemos deixar de creditar a Marvel Studios por seu planejamento e pelo desenvolvimento de seus personagens, algo que talvez devesse ter sido feito com os X-Men, quem sabe até mesmo com um recomeço, onde tudo o que havia sido feito antes tivesse sido apagado de vez e construído do zero como um universo compartilhado.

Outro grande mérito dos mutantes nos cinemas, foi o lançamento do primeiro filme de super-heróis feito exclusivamente para maiores de dezoito anos. Com Deadpool, a Fox expandiu ainda mais o leque de possibilidades, algo que ficou ainda mais aperfeiçoado com Logan, onde vimos que filmes de super-heróis não precisam ser necessariamente aventuras rasas e divertidas. Depois disso, diversos outros estúdios passaram a demonstrar seu interesse por produções no mesmo estilo, como é o caso de Venom, que embora tenha sido feito com uma classificação mais liberal, tinha tudo para se encaixar na faixa de filmes adultos, além do futuro filme solo do Coringa de Joaquin Phoenix, que pelo que parece, será o pontapé inicial na linha de filmes restritos da DC Comics.

Agora, os X-Men se preparam para encerrar mais um ciclo e iniciar uma nova jornada ao lado dos demais personagens da Marvel Studios. Não sabemos o que acontecerá com a equipe daqui pra frente, mas uma coisa é certa, bem ou mal, eles deixaram um legado nos cinemas e esse legado pode ter sido só o começo de algo muito maior que ainda está por vir.

Fique com imagens de X-Men: Fênix Negra, último filme da equipe produzido pela Fox:

Imagem de perfil
sobre o autor Guilherme Souza

Outra grande manchete: 'Água, molhada!'