Capa da Publicação

Supernatural: 13×01 – A promessa de uma temporada melhor!

Por Bia Oninawa

Desde a décima temporada Supernatural tem se recuperado da descarrilhada que foi a sexta e sétima temporada do seriado. Aos pouquinhos a trama foi voltando ao eixo, os personagens voltaram a ser interessantes, e no final da decima segunda temporada o enredo estava bem legal. Com personagens importantes morrendo –óbvio que os Winchester estão protegidos, sabe como é, bônus de protagonista– e as tramas cheias de mentira e enrolação sendo deixadas de lado para que o enredo se desenvolva mais depressa. 

Agora a décima terceira começou prometendo ser uma temporada com um rumo muito interessante e finalmente com algo um pouco diferente. Depois de doze anos repassando os mesmos conflitos é bom ver a trama indo para um caminho novo para variar, e esse foi um episódio que quando chegou ao fim, eu queria ver mais, gostaria de ter perdido uma semana apenas para conseguir assistir dois episódios de uma vez só, e fazia tempo que Supernatural não causava esse sentimento. 

Nós começamos o episódio vendo Jack, filho de Lúcifer, já adolescente encolhido no canto o quarto como um animal assustado. Foi bacana conhecer o personagem que ao mesmo tempo que não sabia nada do mundo, ainda assim conhecia muita coisa através da mãe. Não precisou de uma resolução incrível e surpreendente para explicar porque ele já nasceu adulto e a que foi dada foi bem satisfatória, bem fácil de aceitar e continuar com a trama, sem que precisasse voltar nesse tópico ou ficar elaborando muito mais coisas ao redor da questão. 

O episódio inteiro foi em volta de conhecermos melhor Jack e perceber, assim como Dean, no decorrer da história que na verdade ele é apenas um garoto, jovem, inocente, confuso e muito poderoso. O que provavelmente irá o manter na trama por muito tempo, talvez se essa for mesmo uma boa temporada, ele fique por mais alguns anos junto com os Winchesters. Afinal Supernatural já entendeu que acerta a mão quando meche com seres celestiais, não é? 

E a ideia de deixar Sam e Dean como tutores do garoto responde à pergunta que eles mesmos fizeram na temporada anterior de qual seria o legado deles quando eles morressem. Será que o legado dos dois será criar o nefilim mais poderoso de todos? Ele se tornaria um tremendo caçador se fosse educado pelos Winchester, mas é bem capaz que em algum momento, se ele continuar do lado dos caçadores ele acabe se sacrificando por eles. Ou caso ele passe para o lado dos vilões, ele acabe morto, porque ter um ser tão poderoso assim na trama acaba com os conflitos muito facilmente. Mas isso provavelmente seria muito mais para frente, quando ele aprendesse a controlar seus poderes, e se tornasse demasiadamente forte. O que acabaria tornando necessário tirá-lo da série. 

Mas ainda no primeiro episódio, sem querer prever como a trama irá se desenrolar muito lá na frente, as mortes que tivemos no final da decima segunda temporada ainda estão refletindo na personalidade dos irmãos Wincherster. Eles estão de luto pela mãe que provavelmente está morta (só na cabeça deles, é claro porque Winchester nunca morre), Crowley, que apesar de ser um babaca, ainda era o babaca deles, e Castiel, que duvido muito que fique fora da trama apesar de eles terem queimado o corpo do anjo. 

No geral, a trama do episódio inteiro foi para nos apresentar Jack, que foi muito bem representado. A ar perdido e desorientado dele não está forçado, ele não parece inclinado para ser bom ou mal ainda, e a explicação dele ele ser do jeito que é, um adulto, que já sabe falar, e tudo mais foi explicada de um jeito simples e satisfatório. 

A birra do Dean com o garoto faz sentido, e o fato dele ter dado o braço a torcer no final do episódio foi ótimo, porque essas brigas de conflito de interesse entre ele e o irmão se desenrolando por vários episódios já estava cansativo. A décima segunda temporada tinha ganhada alguns pontos por ter adotado essas resoluções rápidas dos conflitos entre os dois, dentro de um ou dois episódios. 

E uma última observação muito interessante que pode ter passado batido para quem está acompanhando a série sem muita frequência, mas que gostei muito de ver, foi o estilo de câmera que foi usado enquanto eles conversavam dentro do carro. Desde a primeira temporada, eles têm um jogo de câmera interno que faz você se sentir dentro do carro com os dois, e nesse primeiro episódio, enquanto os dois discutem, a filmagem é feita de fora, como se outro carro estivesse acompanhando os dois. Não sei se foi uma linguagem intencional para representar algum distanciamento, mas ficou interessante ver essa mudança depois de 13 anos de série. Só não sei se essa será a nova linguagem da temporada. 

E você, o que achou do Jack? Acha que ele será criado pelos Winchester? Ou Lúcifer irá retornar da outra dimensão para criar seu filho? Não deixe de comentar e se você quiser acompanhar tudo que está rolando na produção de Supernatural, você pode conferir nossa galeria bem aqui: 

Imagem de perfil
sobre o autor Bia Oninawa

"Naturalmente está acontecendo dentro da sua cabeça, mas por que é que isto deveria significar que não é verdadeiro?" - Alvo Dumbledore | Twitter/ Instagram: @casamentonerd