Capa da Publicação

Produtora da Sony fala sobre motivos que levaram ao acordo com a Marvel pelo Homem Aranha!

Por Lucas Rafael

Parece que foi ontem, a quantidade absurda de filmes derivados de Espetacular Homem-Aranha sendo anunciados. Lembra do spin-off (derivado) do Sexteto Sinistro? Tudo bem que agora a Sony está voltando a investir nesses derivados, como o filme do Venom, mas vamos lá:

A verdade é que aparentemente, os dois filmes do Espetacular Homem-Aranha vão ser parte de uma franquia incompleta, com o clímax final do segundo filme nunca alcançando, de fato, uma resolução. Homem Aranha e Rino, o embate épico que nunca foi, suspenso no espaço-tempo cinematográfico sem uma conclusão definitiva. A Sony foi afobada com O Espetacular Homem Aranha 2, anunciando praticamente todo um Spiderverso nos cinemas, que ruiu bem antes de começar (e só agora em 2017 volta a dar sinais de vida). E então? Marvel ao resgate.

Existiam diversos rumores na internet sobre os estúdios da Marvel estarem em negociações com a Sony para ajudá-los em relação ao que diabos fazer com o Teioso na telonas. Esses rumores se confirmaram no infame vazamento de e-mails da Sony, em 2015, sujando legal a imagem do estúdio e deixando duas saídas:

1) Sujar ainda mais o nome do estúdio;

2) Deixar o Aranha brincar com seus colegas.

A gente sabe o desfecho da história, Tom Holland é o novo Homem Aranha, se pendurando pelo universo Marvel em Guerra Civil, tendo seu próprio filme, De Volta ao Lar, nos cinemas ainda esse ano e com uma sequencia engatilhada, sem falar de Vingadores: Guerra Infinita, que estreia ano que vem.

Numa visita ao set do novo filme do Teioso, o ScreenRant conversou com a produtora da Sony, Amy Pascal sobre a parceria entre Disney, Sony e Marvel. Na entrevista, a primeira pergunta foi “Como a Marvel e a Sony se juntaram para trazer o Aranha de volta UCM?” Eis a resposta de Pascal:

“A gente fez cinco filmes do Homem-Aranha. A gente precisava fazer algo diferente. Tentamos fazer muitas coisas diferentes como todos vocês sabem e documentam. Mas a coisa que a gente não tinha feito era colocá-lo no Universo Marvel e, botá-lo em um mundo onde existem outros super-heróis. Porque ele sempre foi o único super-herói. E existe somente um número finito de vezes que você pode contar a história de “Eu realmente quero que todos me amem e se eu contar que eu sou o Homem Aranha, eles vão me amar…mas eu não posso contar!”. Então, a gente contou essa história de muitos jeitos. E Kevin Feige e eu estivemos trabalhando juntos desde o primeiro filme, já que ele trazia café para o Avi Arad, acredite se quiser. Ele era muito bom em trazer o café. Ele é um produtor ainda melhor, mas ainda é muito bom no café. Então pareceu que tinha de fazer outra coisa e, essa pareceu a escolha certa. Kevin e eu vínhamos falando por um longo tempo sobre isso. E eu queria destacar que isso é algo que eu acho que nunca mais vai acontecer na história do cinema: três estúdios se juntando para um filme. Nenhum estúdio quer compartilhar nada com o outro, imaginem três. E sinceramente, todo mundo aceitou porque querem que Homem Aranha seja ótimo. É porque o personagem é ótimo e pessoas o amam. Então, o fato é que todas essas companhias querem trabalhar para fazer isso acontecer. Para fazer – você sabe – acreditar que todo mundo precisou do outro para fazer isso acontecer. Eu acho bem miraculoso.”

Pela palavras de Pascal, é paixão pura que move o acordo entre os estúdios. Se é verdade ou não, o que importa é que no final da história, o Teioso está de volta ao lar (rá).

Confira na galeria abaixo os incríveis pôsteres do fruto dessa parceria entre estúdios, Homem-Aranha: De Volta ao Lar:

Fonte: ScreenRant

Imagem de perfil
Lucas Rafael

Redator. Entusiasta de coisas demais