Capa da Publicação

Legends of Tomorrow: 3×02 – O dia em que as Lendas quase fugiram com o Circo!

Por Márcio Jangarélli

Depois desse episódio, não resta dúvidas que, nesse ano, Legends vai para o alto e avante, como nunca antes, com as suas loucuras. Seguindo aquela fórmula de não vilão da semana, mas figura histórica da semana, dessa vez vemos os heróis viajando para o começo do século XIX para capturar um tigre dentes-de-sabre perdido no circo do P.T. Barnum. Simples, né? Bom, nem tanto.

Dessa vez, a figura histórica e as referências são um pouco nebulosas para quem não é americano ou conhece muito bem figuras históricas desse pessoal. Para contextualizar, o dono do circo interpretado pelo Billy Zane, que esteve em Titanic com o Victor Garber, é um figurão histórico chamado P.T. Barnum. Ele é um showman lendário, conhecido por suas fraudes em apresentações, mas também pelo carisma, e, claro, pelo seu circo.

Dito isso, a dinâmica do episódio serviu para deixar o público mais simpático com a causa da Polícia do Tempo do Rip. Simplesmente porque, a primeiro momento, a missão era algo simples, um bate-volta para recuperar um tigre, que se transformou em uma belíssima e divertida catástrofe. É difícil não concordar um pouco mais com a Agente SharpeColocar isso em evidência demonstra que, em algum momento, a equipe terá que trabalhar de forma mais “formal”. Nem sempre as coisas vão se resolver na galhofagem, por mais que, dessa maneira, tudo fique mais legal.

Um ponto bem bacana do episódio é que tivemos o retorno da Amaya e a explicação do sumiço dela da vida do Nate. A moça foi bem babaca e machucou o namorado de propósito depois de ver a neta em ação pela TV e temer por sua existência – algo que vinha sendo especulado desde o final da temporada passada.

Porém, algo mudou na Amaya. Seus poderes estão descontrolados e ela está com medo de usar seu totem. Algumas pistas sobre o futuro dela, do Nate e da própria Mari, a Vixen do tempo corrente do Arrowverse, vêm sendo deixadas desde a segunda temporada, mas esse descontrole e, principalmente, a forma que ela está tomando quando toca o amuleto levantou rumores bem interessantes.

Tudo indica que a Amaya esteja grávida do Nate e esse descontrole dos espíritos do totem são meio que as mães animais protegendo seus filhotes. Quando a Amaya assumiu seus poderes nesse episódio, ela foi direto para o urso, um dos animais com o maior instinto materno – daí que vem o “mãe-ursa”. A pergunta que fica é: essa criança seria a linhagem da Mari ou não?

As duas respostas criam futuros muito legais para Legends. Se sim, e todo esse tempo o Nate era o avô da Mari, as Lendas estavam trabalhando influenciadas por uma espécie de “destino” e tudo isso devia acontecer. Se não, temos uma aberração temporal viajando no Waverider em tempos de um controle pesado da Polícia do Tempo do Rip. Ainda, o que isso significaria para a Vixen atual?

Saindo dessa discussão, outras coisas legais no capítulo foram a batalha entre a Sara e a Agente Sharpeonde rolou uma bela tensão sexual – que estabeleceu as duas como nêmesis e deu o pontapé necessário para o desenrolar da história do vilão principal dessa temporada. O Mick com medo de palhaços e o Stein fantasiado foram a cereja do bolo nessa maluquice toda. Em si, foi um ótimo episódio, previsível, mas divertido.

No fim do capítulo, mais mistérios. Tivemos a ressurreição da Kuasa, a irmã da Mari McCabe, pelas mãos de uma encapuzada maligna. Um fato interessante é que a Kuasa, que é uma das vilãs da Vixen na série animada da heroína, não vem dos quadrinhos, então é a transposição de um personagem original da animação da CW para o live-action. E, pelo que vimos, ela não veio para tomar um chá com a avó. Problemas no futuro envolvendo a Vixen estão chegando.

Kuasa na animação da Vixen e em Legends;

Mas a parte curiosa dessa sequência é a encapuzada. O visual dela e sua relação com o vilão principal da temporada deixou muita gente especulando que veremos uma encarnação do Senhor do Tempo em Legends. Faz todo sentido, visto o tema da série, mas isso é curioso, visto que ele é um inimigo da Legião dos Super-Heróis, que está para surgir em algum momento em Supergirl.

O Senhor do Tempo já teve várias identidades nos quadrinhos, mas o visual dele – antes de ser desmascarado – foi de um ser encapuzado com controle sobre a linha do tempo. Mallus ou Mollus ainda não está relacionado a nada das HQs, mas pode ser uma forma de despistar a identidade verdadeira do vilão por enquanto. Só nos resta esperar.

A encapuzada e o Senhor do Tempo;

Outros easter-eggs do episódio: Em uma cena no início do capítulo, citam o Titanic, ao qual o Stein responde nunca querer botar os pés no navio. Como dito antes, o Victor Garber e o Billy Zane estavam no elenco de Titanic. Perderam a oportunidade de mais piadas sobre.

 

O Fera B’wana, um personagem bem underground da DC, com poderes envolvendo animais e um uniforme bem peculiar, é referenciado no episódio. Um dos capangas do Barnum usa um traje similar ao do herói, com máscara de tigre e tanguinha.

 

O Barnum também tem a ideia de chamar o Nate de o incrível “Homem de Aço”. Nem precisa explicar essa, né?

E aí, o que acharam do capítulo? Foi um bom espetáculo? Não esqueçam de comentar!

Confira nossa galeria com imagens do episódio:

Lançamento não encontrado.

Imagem de perfil
sobre o autor Márcio Jangarélli

Assessor, redator e jornalista. Madonna de Jakku.