Legends of Tomorrow: 2.16 – Os Dias Sombrios Chegaram!

Capa da Publicação

Legends of Tomorrow: 2.16 – Os Dias Sombrios Chegaram!

Por Márcio Jangarélli

Meu nome é Damian Darhk e..

Legends of Tomorrow continua em seu auge, se comparando a Arrow com as melhores temporadas desse ano das séries da CW. “Doomworld” é a prova de que as Lendas merecem muitas aventuras ainda para explorar todo seu potencial.

Em uma realidade moldada pela Legião do Mal, temos, além dos desejos mais íntimos dos vilões expostos ao público, os heróis em sua situação mais desesperadora. O episódio é eletrizante do começo ao fim, com referência atrás de referência, a equipe tentando se reunir novamente e a não-conclusão dessa história em apenas um episódio.

Comecemos pela Star City de Damian Darhk. O capítulo já inicia com uma participação especial: Emily Bett Rickards, a Felicity, é a última justiceira sobrevivente na cidade, com direito a uniforme completo e acessórios tecnológicos. Bom, isso não dura muito tempo, quando Amaya e Sara matam a moça. Para quem ainda mantém ranço da personagem e não está acompanhando a quinta temporada de Arrow: sua vitória tem sabor de mel aqui.

No mundo perfeito de Damian Darhk, Star City é sua, todos os vigilantes estão mortos e as duas heroínas das Lendas são suas mercenárias. Já para o lado do Merlyn, ele está afastado das coisas, com a Thea ao seu lado e sua esposa e o Tommy vivos. É legal saber que, no fundo, o Malcolm realmente se importa com a filha.

Já em Central City, o Capitão Frio é o rei da cidade e pode roubar o que quiser, quando quiser e até ser preso por vontade própria – para planejar uma fuga depois (alô Prison Break). O Mick, porém, não está muito feliz em seu papel de capacho.

E a melhor parte de todo o episódio fica para quando mostram o novo QG de Eobard Thawne, o Flash-Reverso. Ficando no lugar do STAR Labs, o prédio é uma referência à Nave da Destruição da Legião do Mal em Superamigos.

Aqui, Eobard Thawne é o maior cientista do mundo, com o Flash Negro enjaulado, realmente fazendo mudanças significativas no planeta, patrocinado pelo presidente Trump! Martin, Jax e Ray são seus empregados e tudo que ele precisa fazer agora é destruir a Lança do Destino para firmar essa realidade.

Um episódio sensacional, principalmente se você levar em conta as repercussões que pode ter. Sara e Amaya realmente mataram a Felicity e o Jax estava torturando o Martin – essas coisas aconteceram mesmo. No fim, a maioria das Lendas retomaram suas memórias e foram atrás da Lança, os vilões se traíram e foram atrás da Lança, Rory foi, voltou, foi, voltou e quase conseguiu a Lança e a Amaya foi assassinada pelo Snart.

Talvez, o único erro do capítulo tenha sido a reação pós-morte da Vixen. Tá certo que a intenção da equipe é consertar tudo – incluindo a morte da heroína – mas só ficaram tristes na hora e depois nem tchum.

Ah é: a Lança foi destruída.

Esse é aquele tipo de capítulo que serve para introduzir um final épico (quando Legends só vai até o episódio 17). Com tudo pronto para a finale, onde as Lendas vão quebrar sua própria regra e interferir em um momento histórico onde participaram, é torcer para a série finalizar esse ano tão boa quanto se desenvolveu. Quem diria que as Lendas do Amanhã casariam tão bem com a Legião do Mal?

Apertem os cintos e aguardem “Aruba”, a season finale!

Confira nossa galeria com imagens do episódio

A season finale de Legends of Tomorrow vai ao ar em 4 de Abril, pela The CW. Não perca nossa última review do segundo ano da série, na próxima quinta, aqui na LH!

Imagem de perfil
Márcio Jangarélli

Assessor, redator e jornalista. Madonna de Jakku.