Capa da Publicação

Warner pretende se inspirar em Thor para a versão cinematográfica da Mulher-Maravilha?

Por Gus Fiaux

Perto do fim de uma entrevista ao The Hollywood Reporter, o produtor Charles Roven falou um pouco sobre como o filme integraria a princesa amazona ao mundo estabelecido por Homem de Aço. De acordo com Roven, podemos esperar a origem modernizada dos Novos 52 sendo trazida às telas.

A clássica origem traz Diana como sendo uma estátua de barro, a quem foi concedido vida e habilidades sobre-humanas. Na versão dos Novos 52, Diana é a filha de Zeus e Hipólita, fazendo dela uma semideusa. Na entrevista, Roven claramente diz: “Ela é uma semideusa. Seu pai é Zeus.”

Se levarmos em conta que isso é verídico, e não apenas uma estratégia para não entrar em detalhes, chegamos a um ponto bastante interessante: a Warner pode se apoiar no que a Marvel já estabeleceu com o Thor para contar a história de Diana.

Thor-Jump

Nos filmes, Thor é um deus, filho do grande Odin. Nos filmes, entretanto, Thor e todos os Asgardianos são vistos como seres alienígenas dotados de habilidades sobre-humanas, sendo adorados como deuses por homens primitivos. Similar a isso, a DC pretende usar a origem do barro como um mito envolvendo a personagem. Isso pode fazer com que a Warner tente traçar um paralelo entre um e outro, com a diferença de que em vez de Themyscira ser um “planeta alienígena”, ser apenas uma ilha esquecida, que já teve contato com algumas civilizações (navegadores, talvez) e que, por conta desse contato, suas habitantes passaram a ser adoradas como deusas e semideusas. Outros rumores apontam para descendência kryptoniana, o que faz sentido se considerar que Themyscira é uma ilha antiga e que surgiu da mistura entre humanos (ou deuses gregos) e kryptonianos.

Fonte: CBM

Imagem de perfil
sobre o autor Gus Fiaux

Formado em Cinema e Audiovisual pela UFPE. Crítico, roteirista e mago nas horas vagas. Wouldst thou like to live deliciously? || @gus_fiaux